as marcas como novas religiões

Uma senhora procura desesperadamente a um Genius em uma Apple Store de Soho em Nova York. Não está sozinha. Uma multidão quer o mesmo: encontrar um membro do suporte tecnológico oficial da Apple. Não parecem pessoas em uma loja de tecnologia, mas fiéis em busca de salvação ou redenção.

Em outra planta do edifício, começa a orar um converso sobre as vantagens do novo iPhone, o que, a todas as luzes, parece ser um sermão. É definitivo: a loja da Mac tornou-se um espaço de congregação, confissão, aprendizagem, reclamação e até mesmo epifanías. Exatamente como uma igreja.

Isto é uma heresia? De acordo com os especialistas em neurociência, não necessariamente. Tendo em conta as leituras de ressonâncias magnéticas do cérebro de um estudo recente, os fãs da Apple experimentam reações semelhantes em sua interação com os produtos da marca aos de uma pessoa religiosa em frente a uma imagem iconográfica sagrada.

Apple, Samsung e Microsoft

A Apple parece ser o precursor de uma tendência mundial, em que as marcas tecnológicas se apropriam do espaço religioso, especialmente as marcas de smartphones. O seu inteligente aproximação ao consumidor, o que passa por utilizar valores anteriormente ocupados pelas religiões organizadas: a lealdade, o companheirismo e a reverência.

Um bom exemplo disso é a Samsung. A marca coreana inaugurou os espaços Samsung Galaxy Studios em Londres e Nova Iorque, com a intenção de que seus seguidores tivessem um lugar de congregação e podem compartilhar, aprender e interagir com tudo o que rodeia a estrela: o smartphone Samsung Galaxy.

Saiba Mais:  Como melhorar seu posicionamento com links

A imagem não pode ser mais reveladora: os espaços de Samsung Galaxy Studios tornaram-se um formigueiro de clientes que vão a reuniões em que tomam café e carregam seus smartphones. Como se de uma reunião religiosa se tratasse.

Por outro lado, temos a Microsoft. O gigante odiado pelos fãs de Mac por suas enormes diferenças em sistemas operacionais e usabilidade com relação à Apple, criou duas seitas definidas, que são a antítese uma da outra.

Com o lançamento do novo tablet Microsoft Surface RT Tablet, a Microsoft posiciona lojas pop up por todo os Estados Unidos, como uma sorte de altares que disseminam seu trabalho evangélico entre os fãs do iPad, tentando convencê-los para que abracen a verdadeira fé.

Por quê?

Mas, por que as marcas de tecnologia e as ordens religiosas provocam o mesmo tipo de reações? Por que estão se tornando as marcas, símbolos sagrados, preenchendo um espaço anteriormente ocupado pelas religiões institucionalizadas? De acordo com Sigmund Freud, a religião cumpre o espaço para crer em algo, aquilo que denomina de “quid”. Karl Marx definiu a religião como “o ópio do povo”.

Em suma, a religião oferece preencher um vazio, dotar de uma finalidade, estimular uma razão existencial. Nesse sentido, os dispositivos tecnológicos tornaram-se espaços de salvação, que oferecem um sentido de comunidade, um futuro esperançoso, exatamente como as religiões.

Saiba Mais:  O que é a experiência do usuário?

Você Irá aumentar?

Isso parece. À medida que cresce o número de aplicações móveis e a nossa dependência para os dispositivos portáteis, parece que o “quid” em relação às marcas continuará a fortalecer-se, deixando para trás esse sentimento aplicado às religiões tradicionais.

Artigos relacionados

Conteúdo que funciona no Instagram

O que são cookies?

O que são as buyer personas?

Qual software de Inbound Marketing usar?

O que é uma thank you page?

O que é uma Newsletter e para que serve?

O que é uma landing page?

O que é um infográfico?

O que é uma campanha drip?

O que é o Blockchain? Como aproveitá-lo em Marketing Digital?

O que é o A/B Testing?

As melhores galerias para buscar inspiração para o seu próximo projeto

As Buyer Pessoas em sua estratégia de Marketing

A estrutura ideal de um post e tipos de posts

Inspire-se, as melhores sites para evitar um bloqueio criativo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.